SVETISLAV TOMAS ANDREYEVICH

Engenheiro Mecânico formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. É um dos sócios fundadores da FIGENER. 

 

Nascimento: 1959 

Nacionalidade: Brasileira 

Graduação: Engenharia Mecânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, USP - 1982

Pós-Graduação: Engenharia Mecânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, USP 

Idioma: Inglês, Alemão, Francês, Espanhol 

Posição: Diretor da Área de Geração Térmica. 

Experiência Profissional Anterior:

  • 1987 - FIGENER/FICHTNER;
  • 1984 - 1987 C.Greco Engenharia, Estudos e Projetos Ltda;
  • 1982 - 1984 Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo no Agrupamento de Engenharia Térmica;

Iniciou as atividades profissionais em 1982 no Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, como Engenheiro do Agrupamento de Engenharia Térmica da Divisão de Engenharia Mecânica prestando suporte técnico à indústria no uso racional de energia. No ano de 1983 foi contratado pela C.Greco Engenharia Estudos e Projetos trabalhando em projetos de sistemas de combustão e despoeiramento de equipamentos industriais, até 1987.

Em 1988 ingressou na Fichtner do Brasil Ltda, subsidiária da Fichtner Beratende Ingenieure, empresa de consultoria em Energia de Stuttgart, Alemanha, iniciando suas atividades ligadas à produção de energia elétrica a partir de sistemas térmicos na indústria, tendo participado dos primeiros projetos de Cogeração com turbinas a gás no setor industrial Brasileiro (Copene e Salgema). Nesta época teve a oportunidade de conhecer diversas instalações de cogeração com turbinas a gás na Europa.

Quando no ano de 1990 a Fichtner do Brasil teve suas operações no Brasil interrompidas por determinação do Conselho de Administração da Fichtner em Stuttgart, foi convidado pelo então Diretor da Fichtner, Manfred Ersing, a assumir, em conjunto com os então Engenheiros da Fichtner do Brasil José Hélio Pinto e Fábio Vincent, a condução de uma nova empresa de Engenharia no Brasil que seria responsável pela continuidade dos trabalhos da Fichtner no Brasil, ou seja a FIGENER. Desde então atua como Diretor da Figener tendo participado ativamente dos trabalhos de estudos de viabilidade de sistemas de cogeração, substituição de combustíveis, uso de alternativas energéticas, projetos de centrais termelétricas e outros serviços de engenharia desenvolvidos pela Figener nestes 25 anos de atividade.